Header Ads

Duplo Clique | "Sorriso Amarelo"


O novo programa de domingo à noite da SIC chama-se Smile, quer arrancar gargalhadas à audiência, mas só provoca bocejos. A atriz Diana Chaves torna a assumir o papel de apresentadora em horário-nobre e familiar, ao lado de João Paulo Sousa, e a dupla até funciona, mas quase que chega a cair no ridículo. Alguém reparou que um programa como este – que vai buscar combustível às redes sociais – não tem sequer página oficial no Facebook?

O conteúdo de Smile não é novo e já foi explorado numa série de outros formatos do mesmo género, anteriormente transmitidos pela SIC. Assim de repente, nenhuma marca de qualidade distingue os programas Gosto Disto, Não Há Crise! e Tá a Gravar sem serem os apresentadores, que terão feito o seu trabalho a agradar a diferentes públicos.

Resultado de imagem para smile sic

A dupla que agora aparece na televisão revela empatia e disposição para alinhar nas conversas e comentários gozões, e divide os papéis quase em formato de stand-up. A entrada de João Paulo Sousa como apresentador inesperado é que não marcou nem pela diferença nem pelo humor. Diana Chaves é divertida e oferece então contracena a João Paulo Sousa. Porém, tudo parece demasiado: a conversa constante, as picardias em frente às câmaras e sobretudo os emoticons criados pela produção, irritantes e que quase chegam a roubar o protagonismo às caras da SIC. 

A lógica de entretenimento é tão simples e tão falível que torna Smile um programa demasiado árido – porque o cómico de situação dos vídeos de quedas aparatosas já não significa rir até às lágrimas, as montagens virais da Internet estão ultrapassadas e mais que vistas e não é por um programa mostrar episódios caricatos no enquadramento de um tablet que de repente a televisão generalista se tornou o sítio onde os utilizadores digitais querem estar. E assim, a aposta da SIC falha no primeiro nível desta tentativa de (re)aproximar o público mais jovem da programação sensaborona e agastada do domingo à noite.


Os espetadores jovens, e sobretudo as crianças, provavelmente já nem sintonizam a televisão na oferta portuguesa ao longo do dia, porque os talk-shows são vistos pelos avós, os noticiários são sérios e aborrecidos e as novelas “são sempre iguais”. Nesse cenário, é óbvio que tem de haver um esforço muito maior por parte dos programadores, conscientes de que à partida não têm margem para inovar muito nos géneros e na programação (porque as pessoas não gostam daquilo que desconhecem), mas também têm de ir ao encontro da sede de inovação que o público manifesta. Consumir programas de televisão já não é um ato passivo em que o espetador se senta comodamente à espera do que têm para lhe dar: as audiências têm poder de veto na programação (mais na continuidade do que nos conteúdos) e se um programa não conquistar audiências suficientes, sai da antena. 

Smile foi gravado, para já, em seis episódios e ao que parece o canal ponderou produzir novos capítulos de 45 minutos caso os resultados o justifiquem. É esperar para ver. A televisão vive de emoções – e um programa que se chama “sorriso”, quer provocar gargalhadas e só consegue esboçar um sorriso amarelo na cara dos espectadores, fica aparentemente aquém daquilo a que se propôs: entreter o público.

Smile, para ver ao domingo à noite depois do Jornal da Noite, na SIC. 

Duplo Clique - 81ª edição
Uma crónica de André Rosa

Sem comentários