Header Ads

Segunda Opinião | Juntos por Todos


 
Foi na semana passada que a RTP1, a SIC, a TVI e várias estações de rádio se uniram para transmitir o concerto solidário de apoio às vitimas do incêndio de Pedrógão Grande, que matou 64 pessoas e deixou um país inteiro em lágrimas. Tal como a tragédia, os apoios às vitimas também marcam a história de Portugal, principalmente o concerto "Juntos Por Todos"- que teve, obviamente, uma maior dimensão.

Esta foi a primeira vez que as três generalistas se uniram para apoiar uma causa, transmitindo em simultâneo um evento. A representar a RTP1 esteve Sílvia Alberto, a emissão da SIC ficou a cargo de João Manzarra e a TVI contou com Fátima Lopes, mostrando que o concerto valia pela causa que representava, não precisando da cara de primeira linha do canal (Catarina Furtado, Bárbara Guimarães, Júlia Pinheiro ou Cristina Ferreira, por exemplo, ficaram longe do palco principal).

Vários foram os profissionais que participaram no concerto, mas é de realçar o trabalho de Filomena Cautela, que mostrou mais uma vez o seu profissionalismo no concerto e soube equilibrar a sua maneira extrovertida com a postura que a causa exigia. Também Clara de Sousa, Sílvia Alberto, João Manzarra e Isabel Silva foram revelações durante a emissão.

O concerto foi marcado por muitas lágrimas, palavras sentidas e também votos para que a solidariedade se prolongue ao longo dos anos. Todos estavam a lutar por única missão: angariar dinheiro para apoiar os sobreviventes da tragédia. Foi um momento que marcou toda a gente, incluindo os amantes da televisão, que depois de vários anos a verem os canais a competir entre si pela vitória, finalmente viram um gesto de união entre os três principais.

No total de espectadores, "Juntos Por Todos" conseguiu 2 milhões e 800 e foram angariados mais de 1 milhão de euros. Foi uma noite em grande para Portugal, que mais uma vez mostrou que não é apenas um pequeno país na 'porta de entrada' da Europa.

Na televisão, a transmissão do concerto foi homogénea e esteve bem estruturada e dividida entre a RTP1, SIC e TVI. Tivemos o foco no palco principal, backstage, entre o público que assistia e também a presença de alguns convidados.

Todos os envolvidos mostravam muito empenho na divulgação da mensagem principal do concerto e citaram várias vezes o facto dos canais estarem unidos. Para além da iniciativa do concerto, a junção de uma RTP1, SIC e TVI foi dos melhores gestos dos últimos tempos. A televisão tem um poder enorme no público e, desta vez, esse poder foi usado da melhor maneira.

 
 Segunda Opinião -  92ª Edição
Uma rubrica em parceria com o
http://diario-da-tv.blogspot.pt/

Sem comentários