Top Ad unit 728 × 90

Últimas

recent

Vale do Fim | Capítulo 38 (Parte 1)

Também disponível no Wattpad em http://goo.gl/uVVbsb 

Capítulo 38 (Parte 1) - A Promessa

Noite em que Alina acordou do coma

    - Adão, podes deixar-nos a sós? – Pediu Alina com a voz fraca, ficando a sós com Santiago no quarto.
    O rapaz olhou para ela e ela para ele. Ele esboçou um sorriso e ela esboçou outro. Alina conseguia ver o alivio que ele estava a sentir ao olhar para ela consciente.
    - Pregaste-nos um susto! Quando vimos o Raul a ficar sem sentidos eu fiquei apavorado, quando o Adão nos ligou a dizer o que tinhas feito eu só queria recuar no tempo e nunca ter pensado na cura! Tu és da minha família, eu não quero que morras Alina. Eu não posso contar com o meu pai, o resto da minha família próxima já morreu, só restas tu! Eu não posso perder-te. Devias ter esperado!
    Alina não respondeu. Olhou para o lençol que tinha na cama como forma de não encarar o rapaz. Ele tinha razão, ela devia ter esperado que fosse comprovada a cura, que ele dissesse que poderiam injetar aquele liquido no seu corpo sem que isso trouxesse qualquer tipo de consequências. Infelizmente a sua vida toda ela teve de esperar por curas, por retrocessos de experiências, por soros. Ela estava cansada, tudo o que ela queria naquele momento era ser alguém que não tivesse medo de ser controlada, usada novamente como uma cobaia.
    - Achas que estou realmente curada? – Foi o que ela perguntou assim que o conseguiu olhar nos olhos.
    - As análises iniciais mostram que não há vestígios da doença, o teu organismo está normal agora, creio que não te precisas de preocupar mais com ela!
    - Não me estou apenas a referir à doença Santiago! – Disse a mulher, parando um pouco por ainda estar fraca. – Estou-me a referir a tudo! Achas que o liquido curou todos os projetos que me fizeram? Achas que tirou do meu organismo os vestígios do Projeto CM?
    O rapaz olhou para ela. A sua expressão mostrava que isso podia não ser verdade, que o Projeto CM podia ainda habitar no seu organismo. Se ele ainda estivesse em alguma parte do seu corpo ela ainda poderia ser uma arma, ainda podia ser um interesse para o seu tio George, que embora tivesse os seus híbridos poderia a tentar controlar para a fazer sofrer. Ela sabia que o seu tio a odiava pela condição em que ela o deixara, com uma bengala para a vida. Alina sabia que um dia ele se vingaria dela, e temia que isso fosse já no encontro dele com a Rebelião.
    - Apenas analisei focando-me na doença e no Projeto MG. Olhando à primeira vista eu poderia dizer-te que sim, que nenhum dos projetos se encontra no teu corpo, que a cura que fiz a partir do corpo da pequena Maria curou tudo, mas não posso confirmar. A bebé foi criada a partir de um individuo que apenas foi exposto ao Projeto MG, nunca teve qualquer tipo de experiencia com o controlo de mente por isso não te posso afirmar isso. Posso afirmar que o sangue dela contem muitas particularidades, o seu corpo teve de conseguir ganhar defesas para vencer o Projeto MG e consequentemente a doença. Essas defesas podem também ter conseguido acabar com o teu Projeto CM.
    Alina olhou para ele com vontade de chorar. Havia ainda a possibilidade de ela não estar livre de todos os seus males, havia ainda a possibilidade do Projeto CM se encontrar no seu corpo.
    - Analisa o meu sangue, analisa novamente e diz-me que eu não tenho mais essa praga dentro de mim! Diz-me que sou livre Santiago, eu quero saber.
    - Alina! – Disse o homem, suspirando, ficando um pouco preocupado. – Se o Adão me vir a sair daqui com uma amostra de sangue vai ficar preocupado. Além disso há coisas importantes para fazer, eu preciso de criar uma manobra de diversão para ele ir para a Área X, acabar com esta loucura do meu pai que já dura há tempo demais.
    - Se levares no teu bolso ele não a conseguirá ver. Eu suplico-te Santiago, faz essa análise. Tu estás por dentro de todos os Projetos, tenho a certeza que se o Projeto CM ainda se encontrar no meu corpo tu não demorarás tempo algum para o conseguir perceber. A minha felicidade depende disso, depende de eu saber que não tenho mais qualquer tipo de vestígios daquele Projeto com que fui obrigada a viver toda a minha vida mesmo sem o querer. Eu carreguei esta cruz às costas durante muito tempo, por favor Santiago, faz-me esse favor. Lembra-te do que me disseste no inicio desta conversa. Eu sou a tua única família, por isso promete-me, promete-me que ainda esta noite me dizes que eu estou livre, livre de qualquer Projeto, que poderei ao fim destes anos todos viver a vida que eu sempre quis, ao lado das pessoas que amo, ao lado do Artur, do Adão… de ti!
    A mulher percebeu que o rapaz ficou emocionado ao ouvir aquilo. Ela compreendeu. A sua vida não fora fácil, mas a daquele homem ao seu lado também não tinha sido. O seu pai nunca estivera presente na sua vida, sempre pondo em primeiro plano as suas experiencias e o seu GDC, a sua mãe morrera pouco depois de ele completar vinte anos. Ele não conhecera mais ninguém para lhe dar carinho, amor. O seu pai não era homem de afetos, não era homem que se importasse de sentimentos, era frio e arrogante. Talvez August, nos tempos em que estiveram juntos, fosse aquele que mais afeto lhe tivesse dado depois da perda da mãe. Ela percebia isso pela forma como ele falava dele.
    - Levanta a manga da tua blusa! – Disse o rapaz, indo depois até à pequena escrivaninha que se encontrava num dos cantos do quarto.
    Santiago tirou uma pequena amostra de sangue do braço da mulher, a segunda naquele dia.
    - Obrigado Santiago! Eu serei feliz se me disseres que o Projeto CM também já não existe no meu corpo, serei a mulher mais feliz do mundo se todo este pesadelo acabou para sempre!
    - Tentar-te-ei dar-te essa alegria prima minha, mas… e se os vestígios lá estiverem?
    - Vamos partir do principio em que estão! – Disse ela esboçando um sorriso.
    Santiago colocou a amostra no bolso e abriu a porta para sair. Alina olhou para Adão que se encontrava à porta, juntamente com Luna. Ouviu o cientista dizer que tinha de falar com o rapaz e percebeu que antes de analisar o sangue iria colocar outras situações em primeiro lugar, iria ter de esperar mais umas horas para saber se o seu corpo iria ser o de uma pessoa normal ou de continuamente uma cobaia. Ficou ali, sentada na cama, a pensar em tudo aquilo.
Vale do Fim | Capítulo 38 (Parte 1) Reviewed by Fantastic on 19:00:00 Rating: 5

Sem comentários:

All Rights Reserved by Fantastic - Mais do que Televisão © 2014 - 2015
Powered By Blogger, Designed by Sweetheme

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *

Fantastic. Com tecnologia do Blogger.