Header Ads

Saídos da Rádio | D'Alma

 
Seja bem-vindo a mais uma edição do Saídos da Rádio, a rubrica do Fantastic onde damos a conhecer novos talentos da música portuguesa. Nesta sétima edição da segunda temporada, os D'Alma são os nossos convidados.

Os D'Alma são uma banda de Pop Rock do Porto. O álbum Caminho D'Alma surge na sequência do primeiro álbum, cujo principal objetivo é perpetuar grandes poetas.

ENTREVISTA

Os D’Alma são uma banda pop e rock, natural do Porto. Como surgiu este projeto?
A banda D’ Alma surgiu com o Joaquim Carlos Silva (vocalista, poeta e compositor). Depois de compor alguns temas e de apresentar o trabalho realizado a músicos e alguns poetas, sugeriram que fosse gravado um CD. O sonho torna-se realidade em Agosto de 2012, entrando em estúdio no final desse ano.

“Caminho D’Alma” surge na sequência do primeiro álbum. O objetivo deste novo trabalho é divulgar o trabalho de poetas portugueses. Porquê esta vontade de perpetuar grande textos portugueses?
Necessidade em musicar poetas lusófonos unidos pela música. Sensibilidade em os unir através da língua portuguesa. Divulgar o trabalho que ia efetuando. Porque fui recebendo muitos pedidos para realizar novo CD. Em 2015 resolvi construi-lo, em 2016 surge o novo álbum "Caminho D'Alma".

Florbela Espanca, José Saramago, Miguel Torga ou Sofia de Mello Brayner Anderson são apenas alguns dos nomes escolhidos. Como foi feita esta seleção?
Sendo a poesia a minha Alma, escolhi estes poetas pela sua mensagem de força de vida e sensibilidade na construção das palavras que transformo em música. Existe uma união no que leio e que transformo em música. A poesia como forma de arte transportada para a música. São os poemas com que mais me identifiquei para este álbum e com os poetas que eu gosto de musicar. Porque transmitem a sensibilidade de um povo independentemente da sua nacionalidade. A riqueza das palavras da língua portuguesa que unem culturas. Mas num próximo álbum serão outros porque a riqueza da linguagem em sentimentos na lusofonia é interminável. Entre grandes e novos poetas.


O compositor brasileiro Michael Sullivan participa no álbum e é autor da música do tema “O Amor é Lindo”. Joaquim C. Silva é o autor da letra e cantam o tema em dueto. Como resultou esta parceria?
Além dos D'Alma já terem muitos fãs no Brasil, Michael Sullivan  é um dos maiores compositores brasileiros. A nossa musica e poesia melhoram ao som das suas melodias. Todas estas parcerias enriquecem as diversas culturas, para os artistas de língua Portuguesa. Os nossos poetas têm grande aceitação noutros países. Este compositor conhece o trajecto dos D'Alma. Quando lhe apresentei este projecto aderiu e temos o resultado de uma parceria muito positiva e gratificante demonstrando a união entre poesia e música.
 
“Falo de Ti às Pedras das Estradas” foi o tema de lançamento, resultado de um poema de Florbela Espanca. Como é que o público tem reagido a este trabalho?
Quando estávamos em estúdio na fase de produção do álbum esta foi a musica em que todos os elementos achavam que devia ser o single principal, uma musica que ficava no ouvido, aquelas musicas que têm aquela energia forte. Poema marcante cheio de emoções de Florbela Espanca. A editora também concordou deixando que tudo fluísse .Tem tudo o que de bom a música Portuguesa faz . Poesia com sonoridade musical. É dos temas que maior aceitação tem tido no público.

O que diferencia este album do primeiro?
Neste segundo álbum temos uma maior participação de poetas de expressão lusófona porque sentimos a necessidade de união entre as diferentes culturas devida à grande aceitação do anterior álbum. Incluímos poetas portugueses, angolanos e brasileiros». Somos uma banda pop-rock dedicada à poesia lusófona. A mim [Joaquim C. Silva], particularmente, sensibiliza-me muito musicar poesia. Sinto essa necessidade e encontro união e diversidade entre diversas culturas na mesma língua. É a minha ALMA. Neste disco musicamos Florbela Espanca, José Saramago, Ricardo Reis e Álvaro de Campos (Fernando Pessoa), Miguel Torga, António Aleixo, Rita Margaret, António Carlos Santos, Sofia de Mello Brayner Anderson, Ester L. Cid, Machado de Assis, Cristina Lebre, Isabel Ferreira e Etelvina Diogo.


O projeto “Caminho D’Alma” começou a ser pensado em 2015, ganhou vida em 2016 e o objetivo é conseguir uma boa projeção em 2017. Porque acham que é necessário um processo tão longo para a implementação de uma banda no meio musical?
O meio musical é vasto na sua diversidade. O projeto foi pensado e executado com ideais definidos. Após esta concretização, é necessário regermo-nos por calendarizações que temos que respeitar. E é esse o trabalho que estamos a efetuar no momento, para uma boa eficácia para o novo ano

Depois de “Caminho D’Alma”, pretendem continuar a envolver a cultura e a diversidade de línguas nos vossos trabalhos?
O  principal objetivo é perpetuar os grandes poetas portugueses e novos valores poéticos. Neste álbum não são unicamente os os poetas portugueses, mas também os de expressão lusófona, portugueses, angolanos e brasileiros. Pensando no entanto em outros países de expressão portuguesa para o novo álbum. É unir os povos de cultura diferentes de língua portuguesa através da poesia em música. E transmitir essa sensibilidade para o mundo. Que através de um registo  pop/rock a língua portuguesa e a música podem unir culturas e sensibilizar pessoas para várias formas de arte cultural- poesia e músic.

De que forma poderemos acompanhar o vosso projeto digitalmente?
Utilizando um registo diferente do habitual e melodias com uma sonoridade pop/rock, os D´Alma lançam em setembro de 2013 o seu primeiro álbum. Com o tema "Cartas de Amor”, integrámos a banda sonora da novela Belmonte exibida na TVI. Deixo aqui alguns links de lojas e serviços de streaming para que possam acompanhar o nosso projecto digitalmente: iTunes  - Spotify - Meo Music - Google Play - Deezer - Amazon.

Saídos da Rádio - T2 | Edição 7
Setembro de 2016
Convidado: D'Alma
Entrevista: André Pereira
Agradecimento: Farol Música


1 comentário:

  1. Têm um belíssimo caminho pela frente!... Parabéns, continuar e persistir sente-se que é o vosso lema!

    ResponderEliminar