Header Ads

Saídos da Rádio | Black Jellies


Seja bem-vindo a mais uma edição do Saídos da Rádio, a rubrica do Fantastic onde damos a conhecer novos talentos da música portuguesa. Nesta quarta edição da segunda temporada, Black Jellies são os nossos convidados.

O projeto teve início há cerca de cinco anos e resulta da vontade de construir algo novo e diferente do habitual, no que diz respeito ao panorama musical português. Os Black Jellies resultam da união de cinco pessoas, com gostos musicais que nem sempre são coincidentes, mas que têm conseguido reinventar sonoridades.

ENTREVISTA

Os Black Jellies surgem em 2011 e resultam “da vontade de construir algo novo e diferente do habitual”. Cinco anos depois, acham que estão a fazer a diferença no panorama musical português?
Ao fim de cinco anos não poderemos dizer que tenhamos feito a diferença no panorama musical. Queremos fazer, sim, mas ainda estamos a dar os primeiros passos nesse sentido. A vontade de construir algo diferente está presente nas nossas músicas e quem nos acompanha sabe que temos crescido nesse sentido. 

Atualmente, a banda é composta por cinco elementos. Ana Raquel Soares na voz, Gonçalo Robalo na bateria, João Quintais e Pedro Santo na guitarra e Pedro Pessoa na guitarra baixo. Para quem não vos conhece, como se descrevem individualmente e enquanto banda?
Descrevemos-nos como um conjunto de pessoas jovens que procura tirar algum gozo da atividade musical. Acreditamos que é a tocar que podemos fazer alguma diferença no panorama musical e social.


Como é que os vossos caminhos se cruzaram musicalmente?
Os quatro elementos originais da banda (Ana Raquel, João Quintais, Gonçalo Robalo, Pedro Santo) conheceram-se quando ainda estavam a ter formação musical, talvez há uns dez anos. O Pedro Pessoa, que foi o último a entrar, foi-se cruzando com os restantes elementos de forma natural e acabou por entrar no projeto, pois necessitávamos de um baixista.

Apresentam-se como uma banda que tem como objetivo “unir as pessoas”, não assumindo por isso nenhum género musical em particular. Porquê esta opção?
A opção de não ter um estilo musical definido leva-nos a poder criar sem ter barreiras, sem termos que estar associados ao Rock ou ao Pop,  podendo expandir os horizontes musicais da forma que queremos. Isso leva a que as nossas criações musicais muitas vezes não sejam uniformes. 

Certamente têm algumas referencias musicais. Que artistas influenciam o vosso trabalho?
Falar em artistas que influenciam o nosso trabalho é limitativo, preferimos falar de estilos musicais. Evidentemente, o Rock (Pop, Indie, Metal) e alguns apontamentos de Jazz.


Todos os vossos temas são cantados em português. Esta aposta é para manter? Porquê?
Quando pensámos em produzir originais, quisemos fazê-lo em português, por ser a nossa língua. Consideramos ser um ponto a nosso favor na comunicação com o público nos concertos e nas nossas músicas. É sem dúvida uma aposta que vamos manter para o futuro. 

Nos últimos tempos, têm apostado numa nova imagem da banda, aliada a um novo site, bem como as páginas nas redes sociais. Em que medida este investimento influencia a forma como chegam ao público?
O investimento que estamos a fazer na modernização da imagem e comunicação da banda são essenciais para chegarmos mais facilmente ao contacto com o público. É vital, para nós, mostrarmos o nosso trabalho ao máximo de pessoas possível e temos no nosso site ou nas redes sociais bons aliados.

É em plataformas como o Youtube ou o SoundCloud que temos ficado a conhecer as vossas músicas. A última, O Jantar, foi lançada a 25 de abril. Tencionam lançar um álbum físico ou, para já, querem continuar a apostar nas plataformas digitais?
No atual momento, e dada a importância que damos às plataformas digitais, vamos continuar a publicar os nossos singles, como temos feito, através do Youtube ou do Soundcloud. Com certeza que num futuro próximo teremos todo o interesse em lançar algo físico, seja um EP ou um álbum, mas a seu tempo ficarão a saber.  


Voltando à génese do vosso projeto, como surgiu o nome Black Jellies?
O nome e o seu surgimento é algo que preferimos manter em privado, pelo menos por enquanto. 

Até agora, já foram apresentados três temas originais. Animal, Jantar e Linhas, a primeira com um videoclipe associado. O que podemos esperar dos Black Jellies nos próximos tempos?
Poderão esperar de nós mais um ou dois singles a sair brevemente, talvez até outro videoclipe. Mas como não queremos que esperem muito tempo, podem assistir ao vivo a um dos nossos concertos já agendados para Junho, basta só passarem pela nossa página e ficarem atentos.


Saídos da Rádio - T2 | Edição 4
Junho de 2016
Convidado: Black Jellies
Entrevista: André Pereira

Sem comentários